Valorizando a pecuária de corte

Jean Paul Prates- Senador da Repúbica

A pecuária brasileira representa 7,4% do Produto Interno Bruto (PIB) e gera 3 milhões de empregos. Apesar de o Brasil ser o maior exportador de carne bovina mundial, 80% da produção de gado para corte é consumida no mercado interno. No Rio Grande do Norte, a cadeia produtiva de carnes está agonizando, embora o mercado consumidor local seja importante. Tenho debatido com órgãos do Governo do Estado e com a Associação Norte Rio-Grandense de Criadores (Anorc) alternativas para revitalizar o setor. 

O Rio Grande do Norte viu sua pecuária de corte definhar quando houve a mudança nos hábitos de consumo da população e o fortalecimento da fiscalização fiscal e sanitária. As pessoas trocaram as feiras livres, pequenos açougues e mercados de bairros pelos supermercados e açougues de maior porte. Como os atacadistas e representantes de industrias de outros estados estavam mais preparados para a nova realidade, eles rapidamente dominaram o nosso mercado. 

Estimativas apontam que, em 2017, foram abatidas 425 mil cabeças para atender a demanda por carne bovina no RN, ao preço de R$ 914 milhões. Do total, R$ 690 milhões foram repassados para trazer o gado de estados como Pará, Tocantins e Maranhão. Ou seja, 75,5% (320 mil carcaças) para atender a demanda potiguar veio de fora, na forma de carne resfriada. 

Os estados que exportaram carne para o Rio Grande do Norte arrecadaram mais de R$ 48 milhões em ICMS, valor que poderia ter ficado no Tesouro local. Vale registrar que, para cada R$ 100 milhões apurados na venda de carnes, são gerados outros R$ 50 milhões na cadeia de insumos. O impacto na arrecadação é de R$ 15 milhões, em impostos e contribuições. Sem falar na quantidade de empregos gerados. Os dados demonstram que é urgente revitalizar nossa pecuária de corte. 

No Rio Grande do Norte – segundo dados de 2017 da Secretaria de Tributação – quatro empresas que se beneficiam de renúncia fiscal adquiriram quase 19 milhões de quilos de carne, por R$ 172 milhões. Acabar com a possibilidade de as empresas da carne participarem do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Indus- trial (Proadi) é um dos pontos que está sendo negociado com o governo, até porque apenas quatro empresas atacadistas, que não compram o boi do produtor local, são beneficiadas pela isenção. O crédito presumido já é aplicado em outros estados. As vantagens da revitalização na indústria de abates não seriam apenas tributárias e econômicas. É certo que arrecadação aumentaria, inclusive via o fomento da cadeia de insumos, os subprodutos e o valor agregado da carne. Além disso, milhares de novos empregos seriam gerados. O setor contribuiria para o desenvolvimento do estado, por meio do estímulo a investimentos na indústria, fazendas e na cadeia de insumos. Milhares de famílias permaneceriam no campo, gerando riqueza nas cidades do interior. Haveria uma drástica redução no abate informal. As condições sanitárias da carne melhorariam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website