Governo apresenta medidas de equilíbrio fiscal do Mansueto ao Banco Mundial

Em reunião realizada na última sexta-feira (21), em pleno ponto facultativo, a Governadora Fátima Bezerra e o Vice-Governador, Antenor Roberto, reuniram-se com sua equipe econômica, secretário e assessores para discutirem medidas e ações importantes para o Estado, como o equilíbrio fiscal.  Presentes ao encontro o Secretário do Planejamento, o economista, Aldemir Freire, da Tributação, Carlos Eduardo, Fernando Mineiro, da Secretaria de Gestão de Projetos e Articulação Institucional (Segai),a economista Virginia Ferreira da Administração e Pedro Lopes de Araújo da Controladoria Geral do Estado (Control), entre outros assessores da SEPLAN e gabinete civil, também foram parte integrante da reunião de trabalho, consultores do Banco Mundial.

Na oportunidade, a Governadora apresentou algumas medidas que buscam o Equilíbrio Fiscal, que o Estado do Rio Grande do Norte, pretende negociar com o Governo Federal, no âmbito do Projeto Mansueto, que pode até levantar empréstimo para o RN ao longo de até 4 anos, em um montante de R$ 1,3 bilhão de reais. O Governo Fátima, partiu na frente e, está entre os primeiros a encaminhar documentação exigida pela Secretaria do Tesouro Nacional, tendo os consultores do Banco Mundial se revelados satisfeitos com as prioridades e medidas propostas pelo Governo do Estado.

Entre os demais participantes do grupo seleto de trabalho da Seplan, estavam o subsecretário Victor Holanda e o adjunto George Câmara, chefe de Gabinete Flaubert, assessores técnicos da equipe do Gabinete da SEPLAN, o nosso economista Ricardo Valério, Vice-Presidente do Corecon-RN e do coordenador Thiago Franklin.

O Plano Mansueto e os futuros recursos da outorga Onerosa do Pré Sal, e a vendas da conta da filha do Estado, são umas das maiores apostas do Governo para oxigenar o seu caixa. Além, de ousadas medidas de controle e cortes de gastos, apresentadas pelo Governo do Estado e, que foram encaminhadas à ALERN – Assembleia Legislativa do RN. Estas duas medidas que se encontram em tramitação na casa legislativa estadual, está o alicerce do equilíbrio fiscal do Estado, pois, contempla duas PEC, de medidas estruturantes para e economia estadual, sendo uma que versa sobre o Crescimento Sustentável das despesas e da LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2020 e, será de supra importância para aprovação do Plano de Equilíbrio Fiscal do RN, que o Estado buscar ser aprovado no plano Mansueto, com possibilidade de captação de cerca de R$ 1,3 bilhões de reais em 4 anos até 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website