Resultado – XVII Prêmio RN de Economia

Na “Semana do Economista”, realizada de 07 a 12 de agosto, em Natal, o Conselho Regional de Economia – CORECON/RN divulga relação dos vencedores do “XVII Prêmio RN de Economia 2017”. O concurso, promovido em parceria com o Conselho Federal de Economia – COFECON dá recompensas em dinheiro aos três melhores trabalhos monográficos, em nível de graduação.

A solenidade de entrega dos prêmios acontece nesta quinta-feira (10), na Assembleia Legislativa, a partir das 9h junto com as demais homenagens previstas para a “Semana do Economista”. Os três primeiros lugares receberão, respectivamente, R$ 2 mil, R$ 1 mil e R$ 500 reais. Leia Mais

“XVII Prêmio RN de Economia – 2017” tem número record de inscrições

As inscrições para o “XVII Prêmio RN de Economia – 2017” foram encerradas nessa segunda-feira (10) e com registro de número record de participantes, desde a sua implementação há 17 anos. Ao todo, o Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Norte – CORECON/RN recebeu 12 trabalhos com nível de excelência para concorrer a premiação do Concurso de Monografia que oferece um total de R$ 3.500 reais. Serão concedidos aos três melhores trabalhos em valores brutos: 1º Lugar R$ 2.000,00 ; 2º Lugar R$ 1.000,00  e 3º Lugar R$ 500,00.

Turma de Ciências Econômicas da UFRN realiza colação de grau e pode receber prêmios em Concurso

O curso de Ciências Econômicas da UFRN formou mais uma turma na última sexta-feira (3) e o presidente do Conselho Regional de Economia – CORECON/RN, Ricardo Valério, esteve presente na Colação de Grau dos novos economistas do Estado que escolheram como paraninfa a professora Valdênia Apolinário.

A turma, com 16 formandos, receberá do Conselho a bonificação da primeira anuidade do registro profissional provisório. Poderão também participar do Concurso Prêmio RN de Economia que, neste ano, pagará em torno de 4 mil reais aos vencedores das melhores monografias inscritas. No entanto, para bonificação e participação no concurso, o formando precisa estar registrado no Conselho.

Leia Mais

Prêmio Nobel de Economia

Oliver Hart e Bengt Holmström, Prêmio Nobel de Economia 2016

O Banco da Suécia concede a eles o prêmio de maior prestígio das ciências econômicas por sua contribuição para as ‘Teorias dos Contratos’

ANTONIO MAQUEDA

Madri

O Banco da Suécia concedeu o prêmio Nobel de Economia 2016 a Oliver Hart e Bengt Holmström, por sua contribuição à Teoria dos Contratos, que analisa os comportamentos da contratação no mundo empresarial e seus diversos efeitos. Por exemplo, estuda se os professores e funcionários de prisões devem ter remunerações fixas ou variáveis. E desenvolve teorias sobre como estabelecer a remuneração dos diretores de uma empresa (e seus salários variáveis ou bônus) de forma que os acionistas sejam beneficiados e se crie um maior valor em médio e longo prazo.

Holmström, de 67 anos, nasceu em Helsinki (Finlândia) e é professor da Universidade de Harvard. Hart, de 68 anos, nasceu em Londres (Reino Unido) e é professor do Massachusetts Institute of Technology. A Academia afirmou que a decisão de premiar os dois economistas responde a “sua contribuição para a teoria dos contratos”, destacando a importância das ferramentas teóricas criadas pelos dois para compreender o efeito real dos acordos trabalhistas, as remunerações das empresas e instituições e os riscos potenciais no desenho dos contratos.

Leia Mais

Simpósio de economistas discute “Desafios da Economia Brasileira” em Natal

Pela primeira vez na capital, evento reúne economistas de todo país

Natal-RN vai se transformar na Capital Brasileira dos Economistas a partir desta quarta-feira (31) até sábado, 3 de setembro, com a realização do XXV Simpósio Nacional dos Conselhos de Economia – SINCE, no Praiamar Natal Hotel & Convention para discutir os principais desafios da economia brasileira.

A palestra central aborda a “Previdência e Assistência Social como instrumento para a redução da desigualdade no Brasil”, assunto apresentado pelo economista Milko Matijascic, técnico em Planejamento e Pesquisa no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); e discutido pelos economistas Roberto Piscitelli (UnB) e Rogério Nagamine Costanzi (IPEA). Leia Mais