Economista, fortaleça o Núcleo de Peritos do Corecon-RN

O CORECON-RN, através do seu Núcleo de Peritos Economistas, tem a satisfação de comunicar a sua mais recente adequação, a partir da gestão do novo presidente Marcos Simões, o Núcleo de Peritos será formado por uma comissão tendo a frente, como Coordenador o Economista Flávio Kauê, mantendo-se na pasta, o economista Cândido Gabriel e todos os demais economistas que para isto sejam nomeados as novas demandas, dando continuidade, a oxigenação tão esperada para quem atua na área da perícia econômico-financeira.

Além dos problemas provocados pela pandemia, o economista Cândido Gabriel, que honrosamente passou o bastão para o novo Coordenador do Núcleo de Peritos do Corecon-RN, afirma que o Núcleo, além de manter as assessorias personalizadas a todos os peritos filiados ao Conselho, também, estará atento as demandas dos bacharéis dos cursos de economia existente no nosso Estado, inclusive, contando com as novas contribuições proposta pela nova coordenação. Entretanto, deixa registrado que foi observado um sutil movimento de desistência da parte de alguns nobres colegas peritos economistas no exercício anterior, que, em virtude de algumas desvalorização ocorridas nos honorários periciais no âmbito da justiça gratuita, mas tal desistência, julga como um procedimento precipitado, tendo em conta que o mercado da perícia econômico-financeira é bem maior do que aquele enxergado no âmbito do NUPeJ do TJRN, porém é muito importante sua permanência, porque, manter o cadastro atualizado, tanto na justiça paga, como na justiça  gratuita é o que mais importa para executar uma perícia judicial e mostrar seu trabalho, suas habilidades, ou seja, não é simplesmente o fato de aceitarmos a depreciação dos honorários pagos pela justiça gratuita que deve ser considerado e, sim, a permanência no mercado pericial judicial (respaldando o próprio mercado extrajudicial), isso é o que mais importa, porque há várias maneiras de se manter atuante no mercado, mas, aqueles que se desestimularem, abrindo mão de todo o trabalho que, o próprio economista (perito), realizou, terá um prejuízo, consequentemente, irrecuperável, tanto para si, quanto para a categoria dos economistas, como também, para uma parcela da sociedade, o que demonstra que devemos nos aperfeiçoar buscando uma maior produtividade, para compensar a uberização dos preços e essa será a nova frente de estudo dos que compõem o Núcleo de Peritos do Corecon-RN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website