Quero Ser Economista

Voltado exclusivamente aos estudantes de Ensino Médio, o Desafio Quero Ser Economista é uma competição que apresenta conceitos básicos da Ciência Econômica de forma divertida e descomplicada. Basta ter acesso à internet para participar do jogo que acontecerá durante quatro semanas, de 04 a 29 de maio de 2020. Vídeos, enigmas e muita informação interessante é o que os participantes de todo o Brasil podem esperar do Desafio deste ano. Além de muito conhecimento, os vencedores ganham prêmios em dinheiro. As inscrições estão disponíveis de 6 de abril a 8 de maio. Participe!

Link para inscrições: querosereconomista.fontesolutions.com.br

 

 

Corecon-RN- Observatório Covid-19: Medidas de preservação de empregos. 

 

O Presidente do Conselho Regional Economia, Ricardo Valério, aborda sobre medidas que vão começar a ser colocadas em prática pelo Governo Federal nesta semana, objetivando dar fôlego e salvar o setor produtivo, visando acima de tudo, preservar os empregos e a renda da população. 

Entre elas, chama a atenção aos trabalhadores informais, aos autônomos e aos MEI para ficarem atentos ao lançamento de um aplicativo que o Governo vai disponibilizar, para os informais poderem ser cadastrar pelo próprio celular suas informações, para se habitarem a receber o Coronavaucher destinado para quem trabalha por conta própria e sem carteira de trabalho, que irá receber R$ 600 reias mensais, por 3 meses, quem se enquadrar as regras amplamente já divulgadas. 

O Governo destinou quase 100 Bilhões para atender mais de 25 milhões de trabalhadores informais e autônomos, com o Coronavaucher, objetivando ajudá-lo a superar as dificuldades da falta de vendas, em função solamento social.

NÚCLEO DE ECONOMIA APLICADA E CONJUNTURA ECONÔMICA – DEPEC/UFRN

Boletim do NEAC – No 1

Grupo de Pesquisa
NÚCLEO DE ECONOMIA APLICADA E CONJUNTURA ECONÔMICA – DEPEC/UFRN

O padrão de contágio do novo coronavírus na cidade do Natal/RN seguiu um padrão bem semelhante ao que aconteceu em outras capitais brasileiras: começou em áreas com grande concentração de pessoas com alta renda, que tiveram contato com o vírus fora do País/Estado. Leia Mais

Agropecuária em tempos de pandemia: importância e propostas de políticas públicas

NOTA TÉCNICA 011
Agropecuária em tempos de pandemia: importância e propostas de políticas públicas

Thales Augusto Medeiros Penha2 Alice Aloísia da Cruz2
João Matos Filho2

O mundo está diante de um dos maiores desafios humanitários de sua história. O combate ao novo Coronavírus (covid19) coloca grandes desafios para os governos e a sociedade civil, que são obrigados a procurar respostas para uma crise com múltiplas faces – sanitárias, médicas, sociais e econômicas – em particular no meio rural onde a oferta de serviços públicos é mais escassa. Leia Mais

Corecon-RN – Observatório Covid-19: O momento exige união para preservar vidas

Nosso comentário de hoje vai de encontro ao anúncio de quase 800 Bilhões de reais, destinando ao combate a pandemia e ao socorro das empresas e dos trabalhadores informais, celetistas, autônomos, brasileiros do cadastra Único, dos MEI e do Bolsa Família. O Governo segundo o ministro Paulo Guedes, está destinando um orçamento segregado Extra de cerca de 800 Bilhões de reias, para o Socorro as empresas , trabalhadores e a economia nacional, além das ações de saúde pública. São recursos expresssivo, pois em apenas 3 meses, o governo estará destinando o mesmo valor que ele estimava economizar ao longo de 10 anos com a reforma da previdência.

Compre produtos do nosso estado

O Presidente do Corecon-RN, Ricardo Valério, convida e chama a atenção de todos para a importância da valorização dos pequenos e médios empreendimentos e de preferência ainda, procurarem sempre que possível, comprar o que for produzido no Estado. Até porque é mais barato e os empregos e impostos ficam aqui.

CORECON-RN – OBSERVATÓRIO COVID-19: Oportuna iniciativa da OAB

Presidente Corecon/RN, Ricardo Valério, ressalta para a importante iniciativa da OAB de requerer as companhias de telecomunicações, energia e Luz, que os esses serviços essências não sejam interrompidos, ainda que o consumidores atrasem por até 90 dias os pagamentos de suas contas, que seria postergados seus pagamentos por 90 dias, para serem diluídos nos pagamentos nos meses seguintes após a crise do Covid-19 passar.