CORECON-RN participa de aula inaugural da UFRN com tema “Encruzilhada da Economia Brasileira”

“Encruzilhada da Economia Brasileira” é tema de aula inaugural do Curso de Economia 2017 da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN que teve início ontem (23), com palestra do professor Marcelo Dias Carcanholo, da Universidade Federal Fluminense (UFF). Uma parceria do Conselho de Economia – CORECON/RN e do Sindicato dos Economistas – SINDECON/RN com o Departamento de Economia da Universidade – DECO/CCSA. Leia Mais

Aglomeração Espacial do Emprego Formal da Indústria de Produtos Minerais não Metálicos no Rio Grande do Norte 1990 – 2010 com base na Metodologia do Índice de Hoover

Por Osmar Faustino de Oliveira

Economista

osmarfaustino@yahoo.com.br

 

INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem como objetivo quantificar as aglomerações industriais no Rio Grande do Norte nos anos 1990, 2000 e 2010. Para isso foi preciso utilizar o coeficiente locacional de Hoover, que mostra o índice de especialização dos segmentos industriais.

A capital do Rio Grande do Norte é Natal, o estado tem clima tropical úmido, com temperatura média de 28 graus e mais de 300 dias de sol por ano. Quem nasce no estado é considerado potiguar ou norte-rio-grandense. A área (km²): 52.811,047 com um total de domicílios: 899.498 a densidade demográfica (hab/km²): 59,99. O número de Municípios do estado é de 167 segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O mundo do trabalho ao longo dos anos vem sofrendo modificações na estrutura produtiva. Segundo Paixão (2012), o aumento da população, aumento dos salários, aumento dos aluguéis e a violência urbana geram um processo de desconcentração industrial. Com a desconcentração, é preciso então que novas formas de aglomerações bem estruturadas sejam estabelecidas em outras regiões, ou seja, novas empresas atuem em outras regiões. Essas aglomerações são o resultado da difusão do conhecimento, do crescimento da expansão do mercado, da disponibilidade de recursos e expansão da infraestrutura, recriando assim novas formas de concentração nas quais estão as aglomerações produtivas localizadas, ou simplesmente cluster.

Leia artigo na íntegra: QL – RN Resumido

Leia Mais

Programa de Educação Financeira será lançado em março pelo CORECON/RN e parceiros

Pesquisas sinalizam que seis em cada 10 brasileiros, encontram-se endividados, e inadimplentes junto ao comércio e aos agentes financeiros, formando assim, um contingente expressivo da população nacional com nomes impedidos de acesso ao crédito junto ao comércio em geral.

Diante desse cenário, o Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Norte (CORECON/RN) vai lançar no mês de março, em Natal, e em agosto em Mossoró, Pau dos Ferros e Assú, o Programa de Educação Financeira e Empreendedorismo, voltado para a população em geral, escolas, órgãos públicos e para empresas que desejarem ter seus funcionários atuando com maior produtividade e tranquilidade emocional. Neste ponto, vale ressaltar que pesquisas revelam que há uma queda acentuada na produtividade do trabalhador que se encontra endividado, além do registro do aumento de faltas ao trabalho, baixa autoestima e abalo emocional com reflexos imediatos na precariedade das condições de saúde e elevação dos níveis de estresse.

Leia Mais

Uma comparação da quantidade de empregos formais e de estabelecimentos da Construção Civil nos anos de 2010 e 2015 no Rio Grande do Norte

Artigo

por Osmar Faustino de Oliveira

Economista graduado pela UFRN

osmarfaustino@yahoo.com.br

 

A indústria da construção civil no país, é crescente e infere no desenvolvimento econômico para a geração de emprego. Portanto, é uma atividade que encontra-se relacionada a diversos fatores do setor que contribui para o desenvolvimento regional.  Como a geração de empregos e mudanças para a economia, ou seja, a elevação PIB e tendo em vista seu considerável nível de investimentos e seu efeito multiplicador sobre o processo produtivo (OLIVEIRA, 2012).

Leia na íntegra:

Uma comparação da quantidade de empregos formais da Construção Civil nos anos de 2010 e 2015 no Rio Grande do Norte

 

Foto: Internet

O Emprego Formal no Estado do Rio Grande do Norte 2010-2015

Osmar Faustino de Oliveira

Economista – Graduado na UFRN

 

Introdução

A classe trabalhadora no século XXI, em íntegra era da globalização, fragmentada, como também mais heterogênea e ainda mais diversificada. Pode-se verificar, uma detrimento significativo de direitos e de sentidos, em reciprocidade com o caráter destrutivo do capital vigente (ANTUNES, 2004).

O Mercado de trabalho é a relação entre a oferta de trabalho e a busca de trabalhadores, e o conjunto de pessoas ou empresas que em época e lugar determinados, provocam o surgimento e as condições dessa relação. O Trabalho Mutável pode ser percebido a partir de óticas diferentes. Assim, trata-se de uma categoria mutável, mesmo considerando exclusivamente o pensamento ocidental. Múltiplas interpretações, o ato de trabalhar é concebido e assimilado de acordo com os padrões vigentes em cada sociedade e há uma multiplicidade de interpretações (APOLINÁRIO, 2013).

Leia Mais

Presidente do Corecon-RN toma possa como Conselheiro Federal

O presidente do Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Norte – Corecon/RN, Ricardo Valério Menezes, tomou posse como Conselheiro Federal de Economia – Cofecon em solenidade realizada na noite dessa quinta-feira (2), em Brasília. Na ocasião, também foram empossados os demais conselheiros eleitos e o novo presidente do Cofecon, Júlio Miragaya, para o biênio 2017/2018.  Leia Mais

Nota Oficial – Inserções e avaliações dos economistas do Conselho sobre as últimas medidas do Governo Federal

NOTA OFICIAL

CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA DO RIO GRANDE DO NORTE

CORECON-RN

Medidas de estímulo ao crescimento econômico são válidas, embora ainda tímidas para reativarem a economia.

 

1) Embora o Governo Temer tenha saído da inércia nas tomadas de medidas econômicas emergenciais, que já eram para ter sido tomadas desde sua efetivação na Presidência no mês de setembro, e assim, colher os frutos desde então, elas são válidas e vão proporcionar razoáveis estímulos à retomada do crescimento, embora não suficientes para destravar a recessão que se abate sobre nosso país;

2) Não obstante que as medidas anunciadas ontem, isoladamente,  não serem de alto impacto dentro do cenário macroeconômico, passam a ser mais expressivas se  somarmos  a aprovação da PEC do teto e discussão das reformas da previdência, que evidentemente, não podem ter a sua aprovação atropelada como ocorreu com os limites dos gastos por 20 anos. Leia Mais

CORECON/RN realiza última Plenária do ano e define pontos para 2017

Na sexta-feira, 9, foi realizada a última Plenária do ano, do Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Norte – CORECON/RN. Na ocasião, estavam presentes, o Presidente Ricardo Valério Costa Menezes e o Vice-Presidente Pedro Segundo Mendonça; os Conselheiros Efetivos Celso Arnaldo de Medeiros, Fabíola Andréa Leite de Paula, Francisco de Assis R. da Silva, Ivanaldo Ferreira de Menezes, Leovigildo Cavalcanti de A. Neto, Conselheiros Suplentes Antonio de Lisboa Batista, Aluísio Alberto Dantas, Joana D’arc Davi de Carvalho Rodrigues, Marcos Frederico Carreras Simões, Maria Aparecida R. Januário de Farias e a Gerente Executiva Maria Maíza de Paiva Costa.

plenaria-dez-2016-9-copia

Plenária de Dezembro 2016

Leia Mais