Artigo – Ganância dos bancos mantém juros altos mesmo com Selic baixa

 

Considerando que a Taxa Selic despencou de 14,25% para 6,5% – a maior baixa histórica – e que estamos com a inflação em queda a níveis nunca sentidos nos últimos 24 anos, sendo registrado agora em março um acumulado de 2,68% dos últimos 12 meses, não podemos admitir como sendo, pelo menos, razoável, as atuais taxas praticadas. Essas revelam a enorme ganância do Sistema Financeiro Nacional – SFN em manter as taxas de juros nas alturas. A manutenção dessas taxas pelos bancos só tem contribuído para a descapitalização das empresas, famílias e geração de um contingente de quase 60% da população brasileira endividada.

Agora em março, atropelando os limites da racionalidade, houve registro de novas altas nas taxas do cartão de crédito para 324% e o cheque especial continua com os juros extorsivos e abusivos. Uma verdadeira agiotagem institucionaliza e somente acompanhada pelo Banco Central do Brasil. Leia Mais

Artigo – Governo quer cortar R$ 10,00 do salário mínimo, mas não cobra bilhões dos grandes devedores

 

Governo quer cortar R$ 10,00 do salário mínimo, mas não cobra bilhões dos grandes devedores

É justo? É moral?

Por Ricardo Valério

(Presidente do CORECON/RN)

 

O ministro da Fazenda, Henrique Meireles, sinalizou na semana passada que o salário mínimo, pelas regras atuais, deva sofrer uma redução de R$ 10,00 no valor da sua correção estimada para vigorar a partir de primeiro de Janeiro de 2018. O valor deve ficar abaixo, inclusive, das previsões do próprio Governo Federal, inserida na Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO, encaminhada para aprovação no Congresso Nacional.

Diante desse cenário, o Governo Temer deve ter uma melhor reflexão já que cobra muito timidamente dos grandes devedores nacionais (que devem mais de um trilhão de reais em tributos federais vencidos), mas está prestes a sacrificar os 45 milhões de trabalhadores, que recebem um salário mínimo,  diminuindo míseros R$ 10,00 sobre a estimativa do mínimo para 2018. Defendemos que, através de uma proposição de medida provisória, sejam mantidas as previsões iniciais anunciadas de um salário mínimo de R$ 979,00, ficando os R$ 10,00 como ganho real acima da correção pela atual regra. Leia Mais