Artigo: NA CONTRA–MÃO DO CRESCIMENTO

Por ALCYR VERAS

(economista e professor universitário)

 

Diante de uma escorchante cobrança de impostos, que não pára de crescer, o brasileiro sente-se em completa orfandade. Não tem como se proteger do voraz apetite tributário.

A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), entidade internacional com sede em Paris, formada por 33 países, afirma que o Brasil tem uma das maiores cargas tributárias do mundo, tomando como parâmetro o tamanho de seu Produto Interno Bruto – PIB. Por sua vez, o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) estima que a famigerada carga tributária brasileira pode chegar este ano a 37.0% do valor do PIB, estando à frente de países como os Estados Unidos, Canadá, Japão e Reino Unido. A diferença é que nesses países o contribuinte recebe do Governo, como contrapartida, serviços públicos de primeira qualidade. Essa previsão faz sentido, considerando-se que esse mesmo Instituto, através da Associação Comercial de São Paulo, divulgou na semana passada, que no período dos últimos 12 meses (de setembro de 2016 a setembro de 2017), o montante de impostos pagos pelos brasileiros aumentou em média 8%, chegando à casa de 1,5 trilhão de reais. Insaciável, o Governo agora quer mais, pois pretende aumentar as alíquotas do PIS e COFINS, sempre sob o surrado e falso pretexto das “frustrações de receitas”. Leia Mais

Prof. Joacir Rufino disponibiliza material utilizado em apresentação durante XII SOBER Nordeste

O Delegado do CORECON/RN, em Assú,  prof. Joacir Rufino de Aquino levou ao XII Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural – SOBER Nordeste,  no dia 23 de novembro, discussão sobre o “Desenvolvimento Rural no Brasil e no Nordeste: o desafio ‘inconcluso’ do combate às desigualdades como uma agenda prioritária”.

O Congresso neste ano aconteceu de 22 a 24 de novembro, em Itabaiana/SE, e  teve como foco ‘Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural no Nordeste em Tempos de Crise’.

A apresentação utilizada pelo prof. Joacir Rufino está disponível no link abaixo:

Palestra SOBER Nordeste – prof. Joacir Rufino de Aquino

Em nota, Conselho de Economia do RN faz recomendações sobre uso do 13º salário

Final do ano chegando e com ele a expectativa do 13º salário. Dos R$ 200,5 bilhões que irão irrigar a economia em todo o país, oriundos dos mais 83,3 milhões de trabalhadores nacionais a receber o décimo; 1,18 milhões de pessoas são do Rio Grande do Norte. Desses trabalhadores, mais de 50% são empregados do mercado formal celetista ou estatutários, mais de 48% de pensionistas e aposentados do INSS e 1,8% de empregados domésticos que vão injetar na economia potiguar mais de R$ 2 bilhões.

É com essa tabela de números que o presidente do Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Norte – CORECON/RN, Ricardo Valério, analisa com otimismo os impactos do 13º salário e em nota esboça o cenário econômico do Estado, além de dicas para aplicar e economizar neste final de ano.

Leia Mais

Artigo – Milton Santos e sua visão sobre o Espaço

Por Osmar Faustino de Oliveira

E-mail:  osmarfaustino@yahoo.com.br

(Economista graduado pela UFRN | Mestrando em Desenvolvimento Urbano – UFPE)

Milton Santos entende que todas as coisas do mundo é uma forma de espaço. Já Lefébvre trabalha mais com o local. Milton Santos afirma que o capital produz e se reproduz na produção do espaço, o autor possui um visão Marxista. A ideia de Milton Santos é que a paisagem é algo que fica impresso e que o homem produz espaço, significando o espaço um conjunto de fotografias. Com isso, o homem produz espaço o tempo todo.

Então a paisagem é um conjunto do tempo, ou seja, em que está em constante mudança. A paisagem é produzia, enquanto o espaço, está em constante produção. Ou seja, o espaço é produzido toda hora, sendo este, formado por objetos, só que é o espaço que define os objetos produzidos. A reconfiguração espacial não é espaço, pois sua materialidade, enquanto espaço aglomera a materialidade e a vida que aquece.

Leia na íntegra: Artigo por Osmar Faustino – Milton Santos e sua visão sobre o Espaço

CORECON/RN realiza palestras e oficinas clínicas para evitar endividamento

Detran e TJRN recebem economistas nesta semana para ‘Programa  de Educação Financeira’

 O Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Norte – CORECON/RN, preocupado com o resultado da pesquisa divulgada pela Fecomércio de São Paulo (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), que aponta a capital do Rio Grande do Norte como a quinta com maior número proporcional de famílias endividadas do país, onde 75% dos natalenses apresentam algum tipo de dívida, resolve intensificar e antecipar o “Programa de Educação Financeira”, destinado à população.

Abrindo o ciclo de palestras, já para esta quarta-feira (18) está agendada a primeira, que acontece no Detran/RN, e na sexta-feira (20), é a vez do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proposto aos magistrados e funcionários, com o economista e presidente do CORECON/RN, Ricardo Valério e o economista e consultor empresarial de finanças pessoais, Hélder Cavalcanti Vieira. “Esse momento no TJRN é bem emblemático pelo fato de, muitas dívidas, serem ajuizadas e resolvidas somente no Tribunal”, comenta o consultor.

As primeiras palestras serão com os órgãos públicos para que haja integração com os setores a fim de executar o Programa, entre eles, a Assembleia Legislativa (ALRN), Câmara Municipal do Natal (CMA), TJRN, TCE, Governo do Estado, Sebrae, Banco do Brasil, Empresas Júnior das Universidades, Sindicato dos Economistas (SINDECON/RN), entre outros parceiros, no intuito de realizar também ‘Palestras de Educação Orçamentária e Oficinas Econômicas’ voltadas à sociedade. Leia Mais

CORECON/RN analisa ‘Radiografia do Endividamento Das Famílias’ realizada pela FecomércioSP

Artigo por Ricardo Valério De Costa Menezes
(Presidente do CORECON/RN)

Natal aparece como a quinta cidade com maior endividamento do país

É preocupante a avaliação do cenário da pesquisa divulgada pela FecomércioSP – Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo, no dia 29 de setembro, ainda que se reportem a dados apurados em 2016, mas seguramente não devemos ter evoluído.

É até provável que estejamos indo de encontro e em um estágio pior, devido ao prolongamento dos atrasos dos salários e, como se não bastasse, tem a Prefeitura Municipal do Natal que vem pagando, também, em atraso, embora em menor escala se comparado ao Governo.

Entre as tantas conclusões, dos múltiplos números levantados com base em dados do Banco Central do Brasil e do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que sinalizaram a capital do Rio Grande do Norte como a quinta mais endividada do país, sendo em média 75% da população com dívidas registradas. Na visão do CORECON, destacam-se as seguintes observações: Leia Mais

Artigo – A Previdência Rural e sua Importância para as Famílias Pobres no Nordeste: Resultados de um estudo de caso no Rio Grande do Norte

Por
Rusiano Paulino de Oliveira (Economista. Especialista em Geo-História do Rio Grande do Norte (UERN). Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR/UFRN). rusiano.paulino@gmail.comJoacir Rufino de Aquino (Economista. Mestre em Economia Rural e Regional (UFCG). Professor Adjunto IV do Curso de Economia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN/Campus de Assú). joaciraquino@yahoo.com.br )

1 Introdução

A Previdência Social no Brasil, apesar de ter surgido na década de 1920, apresentou um baixo grau de atendimento da população do campo durante boa parte do século XX. Na verdade, somente com a promulgação da Constituição Federal de 1988 e a implementação das leis de custeio da seguridade social ainda no governo do presidente Fernando Collor de Mello é que se verifica a extensão de seus benefícios para os trabalhadores rurais e para o segmento da agricultura familiar (BELTRÃO; OLIVEIRA; PINHEIRO, 2000; DELGADO; CARDOSO JR., 2001). Leia Mais

Publicação – O Financiamento Público da Produção Agroecológica e Orgânica no Brasil: Inovação Institucional, Obstáculos e Desafios

O professor Joacir Rufino de Aquino, do Curso de Economia da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte – UERN/Campus de Assú e Delegado do Conselho Regional de Economia- CORECON/RN teve artigo publicado no livro do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), sobre “A Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica no Brasil”. Joacir, junto a Márcio Gazolla (UTFPR) e Sérgio Schneider (UFRGS) escreveram o capítulo 6 do livro, que trata das linhas de crédito destinadas ao financiamento da produção de alimentos agroecológicos e orgânicos no país.

ConfiraO Financiamento Público da Produção Agroecológica e Orgânica no Brasil Inovação Institucional – Obstáculos e Desafios

Livro na íntegra: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/144174_politica-nacional_WEB.PDF

CORECON fecha parceria com Governo do Estado para ensino de Educação Financeira

Economistas também farão parte da ‘Semana do Servidor Público’

O Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Norte – CORECON/RN, na figura do presidente Ricardo Valério, se reuniu na manhã dessa terça-feira (29), na sede da Escola de Governo, no Centro Administrativo, com a coordenação e equipe do programa Qualidade de Vida e Saúde no Trabalho (PQVST) do Governo do Estado. Leia Mais