Observatório Econômico – Corecon-RN: Programa do Leite leva renda, ocupação e fixa o homem no campo.

 

Ricardo Valério, Presidente do Corecon-RN, comenta sobre a boa notícia para o setor agronegócio potiguar: o reajuste do preço do leite pago aos produtores rurais, que fazem parte do Programa do Leite do Governo do Estado, decretado pela Governadora Fátima Bezerra.

O Programa do Leite, que havia durante os últimos quatro anos não recebido nenhum aumento no valor do preço do leite pago ao produtor, colocando os participantes em sacrifício, agora, o reajuste oferecido proporcionará um estímulo ao setor pecuário de forma decisiva. Segundo um levantamento do Secretário de Planejamento, o economista Aldemir Freire, em que ficou patente que o setor da cadeia do leite tem uma função social importante, pois, gera ocupação, renda e fixação do homem do campo, além, de ser o terceiro em volume de faturamento.

 

 

Corecon-RN, vê avanços no diálogo da Petrobras com governo do Estado.

O presidente do Corecon-RN, Ricardo Valério vê avanços mais tranquilizadores nos primeiros entendimentos do Governo do Estado com a direção da Petrobrás. 

Para Ricardo, o governo agiu rápido em defesa dos interesses do Estado, depois das notícias abrupta chegadas pelo anúncio da Estatal através da mídia, à venda das 26 principais base de produção no Estado, inclusive a refinaria Clara Camarão, que proporciona ao RN a ser um dos poucos estados da federação totalmente auto suficiente, até em relação aos combustíveis para aviação. 

A diretoria da Petrobras assegurou que a privatização será gradual e contando com a transição da empresa no processo, e que não irá deixar o Estado na sua totalidade, permanecendo ainda com unidade de logística e Administração no território potiguar.

O Corecon-RN, reconhece que manter a Petrobras isolada no Estado e sem investir, como vem fazendo nos últimos 10 anos, não é interessante para ninguém, nem para o Estado e nem a ela própria. Nos últimos anos com a política de desinvestimento a produção de barris de petróleo caiu mais de 60% e de gás mais ainda da ordem de 70%. 

Assim, se o privatização é irreversível como anunciou a empresa, não só no RN, mas também em 7 estados, é buscar que isto ocorrer de forma gradativa e com a transição com a participação do Estado e da própria Petrobras, como está sendo proposto.

Feito tudo com transparência e devidamente negociada com o Estado, pode até vir o caminho mais curto para a recomposição dos investimentos no Estado. 

Para isto, foi formada uma comissão de acompanhamento do processo de vendas dos 26 ativos com a participação do Governo do Estado e a Petrobras. Entre outras coisas temos que avançar nas pendências e acordos sobre os passivos ambientais de mais de 300 milhões de reais, definição de um novo marco de regulamentação sobre a atividade com a participação privada e as possíveis compensações que o Estado, garantindo que não haja queda de arrecadação dos Royalties e das margens de produção nos níveis de 2019 de 38 mil de barris/dia de petróleo e de 917 metros cúbicos de gás natural, garantindo o acesso ao unidade de processamento de gás, sem prejuízos ao Progas do RN. 

Dentro da avaliação do Corecon-RN e do Governo do Estado, é preciso colocar em discussão, como condição de compensação, pelas possíveis perdas no processo de transição do setor Público para o privado, que o Estado negocie a antecipação de 2023 para 2021, os investimentos da estatal no campo de Pitu, de águas profundas na área do pré Sal, que podem alavancar novas receitas e investimentos representativos dentro do nosso Estado. 

Se faz necessário ficar atentos e participativos em todo processo de privatização, que ocorrendo com está sendo proposto negociado pelo Estado, pode vir a ser boa oportunidade de recomposição e retomadas dos investimentos, em que pese os riscos de perdas da soberania do país, em áreas estratégicas, como as dos combustíveis e em commodities finitas dos combustíveis fósseis.

 

Presidente do Corecon-RN participa no BoraRN de debate sobre saída da Petrobras

Ontem, 27, às 12:30, sob o comando das competentes jornalistas Mariana Rocha e Heloísa Guimarães, no programa BoraRN/Band/Natal, o Presidente do Corecon-RN, Ricardo Valério participou de um proveitoso e democrático debate,  com o consultor de mercado Nelio Wanderley, sobre o anúncio das vendas dos ativos da Petrobras no RGN. 

“Embora os desinvestimentos anunciados, possam ser uma boa oportunidade para recuperação da capacidade de investimento da Estatal no Estado, entendemos que isto tenha que ser feito de forma gradual, com a devida cautela e em entendimentos com o Governo do Estado”, ponderou Ricardo Valério. Leia Mais

Professor Leovigildo fala sobre venda anunciada pela Petrobras

Nesta manhã de quinta-feira,27, o economista, diretor da Facem – Faculdade de Ciências Econômicas da UERN, o ex-Presidente do Corecon-RN, professor Leovigildo Cavalcanti concedeu entrevista para o BOM DIA RN – IntertvCabugi, fazendo uma análise sobre o anúncio da Petrobras da vendas dos campos terrestres e águas rasas de petróleo do Rio Grande do Norte e seus impactos na economia do EStados e Região.

Observatório Econômico – Corecon-RN: Investimento em renda fixa, tem mais rentabilidade que poupança

Ricardo Valério, Presidente do Corecon-RN, Fala hoje, dentro do projeto do Observatório Econômico do Corecon-RN, de educação financeira, com os pequenos poupadores da caderneta de poupança para alerta com a taxa Selic rendendo 2% ao ano, implica dizer que a caderneta de poupança teria uma rentabilidade anual de apenas 1,4% inferior ao projeção da inflação para 2020.

Indica que a melhor alternativa é fazer as aplicações em renda fixa ou do Tesouro direto, que além de garantirem a liquidez, a segurança e rentabilidade um pouco superior à inflação, garantido o poder aquisitivo do capital.

CLIQUE NO LINK PARA BAIXAR, CARTILHA EM PDF:
CARTILHA DICAS ECONÔMICAS

Caern recebe currículos para estágio até sábado

Alunos dos cursos de nível superior em Administração, Biblioteconomia, Ciências Contábeis, Economia, Engenharia Civil, Engenharia da Computação, Engenharia Elétrica, Engenharia da Produção, Engenharia Química e técnicos em Controle Ambiental, Mecânica e Edificações terão oportunidade de estágio na Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern). As vagas são para a cidade do Natal.

Também estão sendo disponibilizadas vagas de estágio para o curso de Engenharia Civil, em Caicó. E vagas para os alunos de Direito e Técnico de Saneamento para Mossoró. Leia Mais

Observatório Econômico – Corecon-RN: É preciso união de todos na defesa dos interesses do RN

NOTA OFICIAL

O Conselho Regional de Economia- Corecon-RN, vem a público demonstrar a sua inquietação e surpresa, sobre posição unilateral e açodada da Petrobras, que após 70 anos de Exploração em mar e terra, na extração de riquezas minerais do subsolo potiguar, anuncia a venda de praticamente todos os ativos representados por 26 bases de produção, inclusive, a nossa refinaria Clara Camarão, colocando praticamente a maior parte da sua infraestrutura de produção a ser totalmente privatizada. 

O Conselho Regional de Economia, embora não seja favorável a venda de todos os ativos e bases de produção da Petrobras, não pode deixar de reconhecer ser possível alguns desinvestimento seletivos, notadamente dos campos maduros e outras áreas de menor rentabilidade, onde o setor privado possa reativar os investimentos necessários para recuperação dos campos de produção pelo interior do RN, melhorando a eficiência produtiva, como já vem ocorrendo em alguns campos terrestres potiguares. Leia Mais

Observatório Econômico – Corecon-RN: Corecon-RN convoca bancada federal e sociedade civil para defender os interesses do Estado

 

O Presidente do Conselho Regional de Economia, Ricardo Valério, comenta o anúncio da Petrobras que de forma abrupta decidiu paralisar suas atividades aqui no Rio Grande do Norte, vendendo seus principais ativos, inclusive a refinaria Clara Camarão, ferindo de forma brutal os interesses do estado potiguar e indo de encontro frontal com as palavras do Presidente da companhia, que no ano passado afirmou que não haveria um desinvestimento total no território rio-grandense.

Ricardo entende a venda dos poços maduros de petróleo para o setor privado. “Mas, incluir a Refinaria Clara Camarão, sem nenhum processo de negociação quando o Estado do Rio Grande do Norte, é o único do Brasil totalmente autossuficiente em petróleo e gás, não entendemos como uma política muita assertiva e que tenha passado por algum processo de negociação”, explicita Ricardo.

A saída da estatal é uma grande perda para o Rio Grande do norte, haja vista, que 5.500 empregos diretos advém da companhia outros milhares indiretos e afeta diretamente o PIB do Estado. Ricardo convoca empresários, empregados da empresa, a classe política a bancada federal e toda sociedade civil para defender os interesses do Estado do Rio Grande do Norte.

Observatório Econômico – Corecon-RN: Conselho sempre defendeu o Auxílio Emergencial até dezembro 2020

O presidente do Corecon-RN, Ricardo Valério, fala sobre intenção anunciada pelo Governo Federal de estender até dezembro  de 2020 o Auxílio Emergencial. Pois esta, era um reivindicação e uma ação cobra e defendida pelo Conselho desde maio, ainda no início do pagamento do Auxílio. 

“A gente vem sendo insistente que o referido Auxílio se estenda até dezembro de 2020, pela necessidade dessa geração, dessa renda mínima para os vulneráveis, que  está sendo beneficiados 65 milhões de brasileiros, praticamente metade da população, indiretamente, está sobrevivendo do Auxílio Emergencial de R$ 600,00”, diz o Presidente do Corecon-RN, Ricardo Valério.

CLIQUE NO LINK PARA BAIXAR, CARTILHA EM PDF:
CARTILHA DICAS ECONÔMICAS